ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • TTF Brasil

Líder de movimento camponês é assassinado no Paraguai

22/02/2013

Um líder do movimento camponês paraguaio foi assassinado no departamento de Concepción, zona central do país. Atingido por pelo menos 15 disparos em sua residência, Benjamín “Toto” Lezcano, de 53 anos, era um ferrenho opositor da monocultura de soja e do uso de sementes transgênicas na região. O crime ocorreu na terça-feira (19).

 

Dirigentes locais apontam produtores brasileiros como mandantes do crime. Segundo relatos de testemunhas escutadas pela imprensa local, Lezcano foi abordado por dois homens, que chegaram à sua casa a bordo de uma bicicleta. Após o assassinato, os criminosos teriam se escondido em uma fazenda de propriedade de brasileiros e não foram encontrados.

 

Ainda de acordo com a imprensa local, a polícia já deu início à investigação do crime, mas não conseguiu encontrar rastros dos assassinos. “Trabalhamos com a hipótese de que ele foi executado por pistoleiros dos produtores de soja brasileiros”, descreveu outro dirigente camponês local, Francisco Jara , a meios paraguaios.

Por meio de denúncias e protestos, Lezcano e seus simpatizantes intensificaram, em 2012, o combate contra a expansão dos agronegócios na região de Concepción e San Pedro. Meios locais relatam que Lezcano chegou a ser preso por invasão de imóveis, mas havia ganhado a liberdade recentemente. 

Organizações do movimento camponês local ainda analisam as medidas que tomarão para esclarecer o caso. Pelo menos 129 camponeses já morreram nos últimos 25 anos devido ao conflito pela terra no país. Em declarações à imprensa local, Jara afirmou que este tipo de crimes é uma prática frequente de poderosos produtores da região contra camponeses que se manifestam sobre a concentração de terra e o agronegócio contaminante. 

Em circunstâncias semelhantes, o dirigente camponês Vidal Vega , de 46 anos, foi assassinado a queima-roupa com três disparos de escopeta, em dezembro do ano passado. Presidente de uma comissão que reivindica terras em Curuguaty , Vega era considerado uma testemunha fundamental para a investigação do conflito que derivou em 17 mortes na região, em junho do ano passado. O evento desatou uma crise que serviu como pretexto para que os opositores do então presidente Fernando Lugo o julgassem politicamente e decidissem por sua deposição.

 

Fonte: Opera Mundi

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Projeto Sociedade Civil Construindo a Resistência Democrática

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca