ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Presidenta da Funai diz que consulta a outros órgãos não deve retardar criação de terras indígenas

25/07/2013

Proposta do governo prevê também a consulta a órgãos como os ministérios da Agricultura e das Cidades

 

Yawanawá_Mário Vilela.Funai.jpg

 

Há pouco mais de um mês ocupando a presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai),  Maria Augusta Assirati disse hoje (24) que o resultado de novos estudos de identificação e delimitação de terras indígenas será divulgado em breve. Evitando falar em prazos, Maria Augusta disse acreditar que a proposta do governo federal de confrontar os estudos antropológicos da Funai com levantamentos produzidos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) não vai retardar a conclusão dos processos demarcatórios e a criação de novas reservas indígenas.


“Espero que não [retarde]. Espero que a discussão se dê em um plano de respeito ao trabalho e à missão institucional de cada órgão”, disse a presidenta da Funai, que, até substituir a antecessora, a antropóloga Marta Azevedo, estava à frente da diretoria de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai. "Há muitas áreas em estudos e alguns [laudos antropológicos] estão para ser publicados ainda durante este ano”.

A proposta do governo anunciada em maio pela ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, prevê também a consulta a outros órgãos como os ministérios da Agricultura, do Desenvolvimento Agrário e das Cidades. A iniciativa, conforme explicou a ministra à época, é prevenir e aperfeiçoar a gestão de conflitos, qualificando a tomada de decisões do governo sobre a criação ou a ampliação de terras indígenas.

Maria Augusta participou hoje (24) da cerimônia de inauguração da nova sede da Funai, em Brasília (DF). Após 25 anos ocupando um edifício cuja estrutura foi condenada pela Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e pelo Ministério Público Federal, os cerca de 800 servidores lotados na capital foram transferidos para a nova instalação, alugada ao custo de R$ 1,17 milhão. Na antiga sede, de 25,2 mil metros quadrados, a fundação pagava R$ 170 mil mensais, mas o valor estava prestes a ser reajustado para R$ 580 mil.

Segundo o diretor de Administração e Gestão da fundação, Antonio Carlos Paiva Futuro, a diferença de preços é justificável, já que, em razão do comprometimento estrutural do prédio anterior, o valor cobrado da Funai estava bem abaixo do de mercado. Ainda de acordo com Futuro, o novo prédio foi alugado por R$ 60 o metro quadrado, valor compatível com o praticado em Brasília.

Além de servidores da Funai e representantes do Ministério da Justiça, o evento contou com a presença dos dois últimos presidentes da fundação, Marta Azevedo e Márcio Meira, além de representantes de povos indígenas, entre eles o cacique Kaiapó, Raoni Metukire, que fez um severo apelo aos servidores.

“A Funai está aqui para proteger os índios, mas sabemos que há aqui muitos que não gostam de nós. Vocês têm que se decidir e, se não gostam de índios, deixar a Funai para que os que querem trabalhar por nós, com a gente [ocupem as vagas]”, disse Raoni, recomendando que Maria Augusta seja forte e prometendo apoiá-la.

Surpreendida, a presidenta da Funai avaliou como positivo o pedido de unidade feito por uma das principais lideranças indígenas do país. “Quanto mais unidade conseguirmos ter, sobretudo internamente, mais nossos trabalhos andarão de forma célere. A Funai é uma instituição muito grande e é preciso buscar sermos um time, alinhado do ponto de vista de estratégia de ação”.

 

 

Fonte:RBA

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca