ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Projeto pretende regulamentar trabalho de ambulantes em São Paulo

20/03/2014

Mulheres bolivianas são as que mais sofrem violações de direitos humanos no trabalho informal em São Paulo

 

O Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, entidade que atua com pessoas de baixa renda em São Paulo, apresenta amanhã (21) o projeto Trabalho Informal e Direito à Cidade. Financiada pela União Europeia, a iniciativa é dirigida à regulamentação de trabalhadores em situação informal, com especial atenção voltada para mulheres bolivianas. O evento será às 18h, na sede da organização, próximo à estação Armênia do Metrô, na zona norte de São Paulo.

 

Segundo o secretário-executivo, Renê Ivo Gonçalves, nesses três anos que a entidade atua junto a trabalhadores informais detectou que a população que mais sofre são as mulheres bolivianas, sobretudo na cadeia produtiva em oficinas de costura. Gonçalves afirma que existem mais de 200 mil bolivianos ambulantes em São Paulo, e no mínimo 20 mil são mulheres. “São as que mais sofrem com as discriminações, os assédios e a falta de políticas públicas.”

 

O projeto pretende denunciar irregularidades, fazer um mapeamento na cidade de situações de violação de direitos e propor soluções, a partir da organização das trabalhadoras em coletivos. A ideia é criar dentro de cada subprefeitura de São Paulo uma Comissão Permanente dos Ambulantes.

 

A falta de infraestrutura nas ruas, ausência de banheiros, jornada exaustiva do trabalho e agressões policiais são as principais dificuldades enfrentadas por esses trabalhadores. O projeto Trabalho Informal e Direito à Cidade visa também a oferecer assistência jurídica aos vendedores ambulantes. Gonçalves afirma ter um expectativa positiva de no diálogo com a entrada do novo secretário municipal de Desenvolvimento e Trabalho, Artur Henrique.

 

Em 2012, o Centro Gaspar Garcia e a Defensoria Pública do Estado entraram com ação civil pública na Justiça e obtiveram, por meio de liminar (decisão provisória concedida até que seja julgado o mérito da ação) licença de trabalho para 1.914 ambulantes. Em maio de 2013, a juíza Carmen Cristina Teijeiro determinou um prazo de 180 dias para que o Plano Municipal do Comércio Ambulante fosse apresentado. A proposta apresentada pela prefeitura não foi considerada satisfatória. A ação civil pública continua em andamento.

 

Ouça a reportagem realizada pela Rádio Brasil Atual aqui

Fonte: RBA

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca