ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • TTF Brasil

Pequenos produtores florestais têm papel importante na redução da pobreza

07/07/2014

Povos indígenas, comunidades locais e pequenos proprietários privados que possuem uma percentagem crescente de bosques do mundo podem desempenhar papel importante frente ao desmatamento e na redução da pobreza, em especial se associados a organizações de produtores. A avaliação é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Segundo a organização, em muitas economias rurais, as empresas florestais familiares e comunitárias contribuem de maneira importante para os meios de vida locais. No entanto, o papel vital que desempenham é frequentemente ignorado pelas políticas governamentais. "Uma limitação fundamental é seu isolamento entre elas a respeito dos mercados, informação, serviços empresariais, responsáveis pelas políticas, financiamento e oportunidades de investimento”, afirma a FAO, em publicação.

Dois documentos sobre políticas públicas, publicados no último dia 30 de junho pelo Mecanismo para Bosques e Fazendas, em aliança com a FAO, o Instituto Internacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento (IIMAD) e a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), sustentam que um melhor marco normativo poderia transformar essa situação. Isso somado à ajuda específica para que pequenos produtores florestais e agrícolas se associem a organizações de produtores florestais.


"Associar-se a organizações de produtores florestais agrícolas pode ajudar a superar seu isolamento, assim como outras limitações muito reais, como a falta de porte seguro dos bosques e de instrumentos financeiros e de desenvolvimento empresarial”, adverte o Oficial Florestal da FAO, Jeffrey Campbell.


"É preciso competir com empresas de grande escala que, com frequência, recebem tratamento preferencial juntamente a um melhor acesso aos mercados, financiamento e recursos”, acrescenta. Além disso, Campbell defende que governos deveriam proporcionar serviços legais às organizações de pequenos produtores florestais e agrícolas que sirvam a seus interesses e ajudem a reduzir a pobreza rural.


Segundo o diretor adjunto do Programa de Bosques e Mudança Climática da UICN, Chris Buss, pequenos agricultores, comunidades e povos indígenas produtores florestais têm um papel importante no comércio mundial. No entanto, são desprestigiados diante do setor privado. "É crucial, portanto, garantir que as organizações de produtores florestais sejam fortalecidas e empoderadas se vamos dedobrar os esforços a fim de alcançar objetivos”, complementa.


O novo documento sobre políticas oferece seis recomendações para desenvolver organizações de produtores florestais de maneira eficaz, reduzir a pobreza e melhorar os meios de vida das pessoas dependentes de bosques. A primeira delas é fomentar o intercâmbio de conhecimentos e aumentar a visibilidade das organizações de produtores florestais e agrícolas na formulação de políticas.


Aponta também o desenvolvimento de incentivos para fortalecer a silvicultura controlada localmente e facilitar a criação de redes entre as organizações florestais e agrícolas. Recomenda ainda a criação de marcos legais favoráveis, a proteção dos direitos de posse dos bosques por povos indígenas e comunidades locais, além de eliminar barreiras regulatórias. Somam-se a isso maior acesso a serviços financeiros, a inclusão a mercados de preços justos e a criação de coalizão mundial de produtores florestais e agrícolas para formular políticas públicas.



Fonte: Adital

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca