ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Confirmado protestos contra o genocídio do povo negro em todo o Brasil

21/08/2014

Por Douglas Belchior, em seu blog na Carta Capital

Em todo Brasil, em grande parte das capitais brasileiras e incontáveis outras cidades do país, negras e negros, autônomos e independentes realizarão nesta sexta-feira, dia 22 de Agosto, a II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro

A partir da Bahia, a resistência organizada pelo Quilombo X e pelaCampanha Reaja ou será morto, Reaja ou será morta, contagiou organizações negras em todo país e o resultado é a construção de um grande momento de mobilização de protesto. 

Em São Paulo,  a luta contra o genocídio negro protagonizada pelaUneafro-BrasilMNUCirculo PalmarinoNCN-USPLevante Popular da JuventudeMães de MaioKilombagemForça Ativa,Posse Hausa, entre outros, já alcançou importantes resultados, como o Fim dos Autos de Resistência no Estado, mas ainda assim a violência policial e o índice de assassinados promovidos pelo aparato militar só aumenta. 

Para se ter uma ideia, só em São Paulo, de 2002 para 2011 houve um aumento de 24% de morte de jovens negros, um crescimento de 11.321 para 13.405. Com esse diferencial, a vitimização de jovens negros passa de 71,6% em 2002 para 237,4%. A violência nos três primeiros meses de 2014 em comparação a 2013 apresentaram um aumento de 206,9% do número de pessoas mortas por policiais em serviço. O aumento sistemático de extermínios é uma das faces do genocídio do qual falamos. 

Mapa da Violência 2014  também releva dados estarrecedores que só reafirmam a guerra do Estado contra o povo negro brasileiro. Segundo o estudo, 100 em cada 100 mil pessoas de com idade entre 19 e 26 anos morreram de forma violenta em 2012. Negros são os principais alvos destas mortes: morreram proporcionalmente 146,5 mais de negros que brancos em 2012. No período entre 2002 e 2012 o índice de mortes negras em comparação com a de brancos, mais que duplicou.

Entre 2002 e 2012, os homicídios que vitimaram jovens brancos caiu 32,3%, enquanto que os homicídios de jovens negros aumentou 32,4%. Para além dos acidentes de transito, barco ou avião e da própria violência civil, que carrega em sim o racismo cultural como uma herança dos quatro séculos de escravidão, o principal motivador de tal desta necro-seletividade foi a radicalização de “políticas públicas de enfrentamento à violência” que investiu seu aparato para a proteção à vida em territórios brancos e direcionou seu armamento para os territórios majoritariamente ocupados por negros.

Não faltam motivos para marchar e exigir reparação histórica à população negra. Nas palavras de Hamilton Borges, esta marcha é“contra a brutalidade policial, contra o esculacho da polícia nos ambientes onde negros são maioria, contra o super encarceramento, contra a política proibicionista que justifica a violência e homicídios praticados por policiais e grupos de extermínio, contra as políticas do governo que sob a justificativa de combater a violência, gera mais repressão, militarização e punição, o que reforça o Estado de Direito Penal e enche as cadeias de mais e mais pessoas negras.” 

A vida real é difícil para todos, mas há explícitos requintes de crueldade no tratamento dispensado à população negra por parte do Estado Brasileiro. É propositada a maneira como o Estado trata a população mais pobre, de maioria negra, negando a ela direitos básicos como saúde, educação, moradia, cultura, transporte, aposentadoria e segurança. “O corpo negro habita a zona da morte (física, simbólica, ontológica)…”, para lembrar palavras do Prof.Jaime Amparo“… E, quando as balas da polícia o atingem, sua eliminação física é “apenas” a reiteração de múltiplas mortes.  É possível concebermos a ideia de alguém morrer várias vezes?” 

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca