ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Movimentos e autoridades debatem participação social

27/08/2014

Ministra avalia que entidades necessitam da Política de Participação Social para fortalecer atuação na construção de políticas públicas

Via RBA

Movimentos sociais e autoridades debateram a participação social para implementação de políticas públicas nesta segunda-feira (25), na Câmara dos Vereadores de São Paulo. Estiveram presentes o secretário municipal de Direitos Humanos, Rogério Sottilli, e a secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, ministra Idelli Salvatti. A reportagem sobre o tema foi ao ar na edição de ontem do Seu Jornal, da TVT.

A ministra destacou que a Política Nacional de Participação Social (PNSP), decreto presidencial nº 8243, sofre “forte resistência” no Congresso Nacional. “Quando o Congresso quer derrubar o decreto da presidenta, porque acha que com isso está perdendo o poder, na verdade, diria que não está reconhecendo a importância que a sociedade organizada tem no fortalecimento da democracia brasileira”, considera.

Para ela, são “inúmeras” as entidades que trabalham junto ao governo na construção de políticas públicas e buscam o reconhecimento dos direitos humanos e, nesse sentido, a PNPS é fundamental para fortalecer a atuação.

A PNPS tem o objetivo de fortalece os mecanismos de diálogo entre o governo federal e a sociedade civil

A PNPS tem o objetivo de fortalece os mecanismos de diálogo entre o governo federal e a sociedade civil

 

O decreto tem o objetivo principal de fortalecer e articular os mecanismos de diálogo entre a administração pública federal e a sociedade civil. Para isso, o texto define dez conceitos: sociedade civil, conselho de políticas públicas, comissão de políticas públicas, conferência nacional, ouvidoria pública federal, mesa de diálogo, fórum interconselhos, audiência pública, consulta pública e ambiente virtual de participação social.

Rogério Sottilli ressaltou que a cidade de São Paulo vive um “grande problema” com a chegada, cada vez maior, de imigrantes. “Eles estão vivendo em situação muito vulnerável, portanto, nós estamos construindo uma política que tenta dar resposta a isso”, diz. Para tanto, ele afirma que a Secretaria de Direitos Humanos de São Paulo tem ouvido setores organizados que trabalham com imigrantes.

Miguel Angelo Jr, integrante do Fórum de Hip Hop Municipal de São Paulo, afirma que nem mesmo militantes de movimentos sociais têm segurança para denunciar situações de vulnerabilidade das comunidades. “Imagina quem está na ponta, quem eles (os movimentos) dizem que estão protegendo”, argumenta.

Para Rildo Marques de Oliveira, militante do Movimento Nacional de Direitos Humanos, apenas a participação social é capaz de efetivar políticas públicas. “Hoje, o sistema não está permitindo acesso, sobretudo às populações mais vulneráveis, para que haja garantia dos direitos”, ressalta.

Assista a reportagem completa realizada pela TVT:

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca