ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • MCCE

É campeão… de ilegalidade

30/09/2014

Enquanto a madeira ilegal é extraída sem controle, os que tentam atuar de forma correta acabam sendo castigados pela competição desleal de preços

O mercado de madeira brasileiro, responsável por movimentar cerca de 5 bilhões de reais ao ano, está fora de controle. “Até 80% da madeira retirada da Amazônia é ilegal”. Assim começa o penúltimo vídeo de uma série de seis produzidos pelo Greenpeace em parceria com a produtora o Bijari, a fim de pressionar os candidatos por uma política eficiente de combate à extração ilegal de madeira, que contribui para a destruição da floresta e graves conflitos sociais.

“Os caras fazendo a festa. E o que é que nos resta?”, questiona o vídeo. Grande parte dessa ilegalidade recebe documentação oficial do governo – veja mais emchegademadeirailegal.org.br. A facilidade de fabricação de créditos de madeira sem lastro permite que se ‘lave’ esse produto. “Em 5 anos, encheram 950 mil caminhões de madeira ilegal. Em fila, eles iriam de São Paulo à Paris.”

Leia mais:

Não à toa, a competição nesse mercado é injusta e favorece aqueles que optam pelo crime ambiental. O filme explica em poucas palavras: “Quem quer fazer a coisa legal, tá indo embora. Não dá pra competir com o barato da ilegalidade”.

Essa investida rende enorme perda florestal: entre 2007 e 2012, falhas primárias nos sistemas oficiais de controle do setor permitiram que fossem irregularmente comercializados 1,9 milhão de metros cúbicos de produtos florestais, volume equivalente à uma área de 64 mil campos de futebol explorada de forma criminosa. Outra grave consequência é a violência no campo: “E o poder finge que não vê a corrupção e a guerra sangrenta pelas matas. 448 pessoas mortas entre 2004 e 2013.”

Com apenas uma semana para a votação, o Greenpeace chama atenção à grave situação em que se encontra a maior floresta tropical do mundo. Como é possível uma atividade que cria milhares de empregos por ano ser fonte de tamanha irregularidade e crime? O próximo presidente da República precisa reformar o sistema de fiscalização, desfazendo a impressão de que o governo faz vistas grossas em relação ao caso.

Demande uma solução para o caos madeireiro. Entre em pressioneverde.org.br e pressione os candidatos!

Fonte: Greenpeace

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca