ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Petrobras
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Falta d’água em São Paulo é uma agressão aos direitos humanos

29/10/2014

ONU reconheceu em 2010 o direito humano à água e ao saneamento

O problema da falta d’água em São Paulo coloca o governo do estado na vexatória posição de agressor dos direitos humanos. Em julho de 2010, a Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu formalmente – inclusive com o voto do Brasil – o direito humano à água e ao saneamento. É derivado do direito a um nível de vida adequado, que prevê que esses serviços estejam disponíveis, que sejam financeiramente acessíveis, aceitáveis e de qualidade.

Desde o início deste ano a população tem dúvidas se a água estará ou não disponível nas torneiras de sua casa. Alguns bairros passam 3, 4, 5 dias sem abastecimento. Pior, falta água em unidades de saúde e escolas sem qualquer tipo de aviso.

Quanto ao “financeiramente disponível”, uma continha básica mostra o quão distante isso está do cidadão. São Paulo tem uma média de 3 habitantes por domicílio (IBGE/Censo 2010), se uma família com 3 pessoas consome o mínimo de água recomendado pela ONU, 110 litros por dia por pessoa, o gasto mensal dessa residência seria de  9.900 litros.

A tarifa de água em São Paulo para quem consome até 10 mil litros/mês é fixa, custa R$ 16,82. Com as torneiras secas, sabe quanto essa família vai pagar se precisare comprar um caminhão-pipa com a mesma quantidade de água? No mínimo R$ 900,00, o equivalente a 53 meses de sua tarifa mensal ou 4 anos e meio.

Mas a Sabesp, cujo maior acionista é o Estado de São Paulo, governado por Geraldo Alckmin (PSDB), não está olhando para os direitos humanos. O problema da água vem sendo conduzido por ela e pelo governo como se sua gente fosse incapaz de juntar lé com cré e com um descaso que beira a desumanidade.

É só olhar as respostas que Sabesp dá às recorrentes reclamações de falta d’água. Em quatro meses, foram tantos motivos diferentes que eles merecem um compêndio. A criatividade é admirável. Vão desde a negação total a rocambolescas explicações.

Veja algumas das respostas dadas pela Sabesp, todas as 15 listadas foram publicadas nos jornais Folha de São Paulo e O Estado de S. Paulo, entre os meses de junho e outubro.

Fonte: Ponte Jornalismo

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Observatório da Sociedade Civil

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca