ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • ALOP

ODS e Agenda Pós-2015 são temas de oficina interna da Abong

11/11/2014

Associação reúne seu Conselho Diretor para debater adesão e estratégias de construção da agenda

 

Nesta segunda-feira (10/11), a Abong promoveu, em Olinda (PE), a oficina "Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: análises e estratégias da sociedade civil". O encontro reuniu o Conselho Diretor da Associação com o objetivo de promover um debate entre seus/suas integrantes acerca da definição política no que se refere ao envolvimento da organização no processo de definição e implementação dos ODS, bem como à construção de uma estratégia de incidência nacional em relação ao tema.

 

Apoiada pela Civicus e pela campanha global Susteinable Development, a oficina teve o objetivo de delinear uma estratégia nacional de incidência dentro da Agenda Pós-2015. Para isso, se apoiou nas diretrizes e ferramentas propostas pela campanha, além de compartilhar informações sobre o envolvimento da Abong com o processo de definição dos ODS.

 

Damien Hazard, membro da direção executiva da Abong, fez a fala de abertura do primeiro painel cujo tema foi "Panorama de Ação nas negociações e processo de implementação dos ODS". O diretor se ateve a tecer um histórico da participação da Associação e da sociedade civil brasileira no processo que envolve a Agenda Pós-2015.

 

Ele destacou um processo mais consultivo por parte das Nações Unidas e seus canais formais em comparação com aquele que gestou os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), cujas metas têm prazo de vencimento no final do próximo ano. Damien lembrou, no entanto, que a sociedade civil organizada conquistou a entrada no debate em torno da agenda, tanto dos ODM, quanto dos ODS, por seu próprio histórico de militância. "Essa entrada vem pela experiência ímpar das organizações brasileiras. A Abong foi estimulada a entrar nesse debate por intermédio de suas articulações internacionais como Fórum Internacional de Plataformas e Mesa de Articulação, além de associadas protagonistas no tema como Gestos e Inesc, e foi convidada a gerir um processo de consultas. A partir desse processo é que a Associação começou a desenvolver várias estratégias de mobilização em torno da agenda", explicou.

 

Alessandra Nilo, diretora estadual da Abong em Pernambuco, também contribuiu com este painel apresentando à Direção as questões políticas envolvidas das negociações na ONU, bem como o documento final com os 17 ODS, o posicionamento do governo brasileiro, pontos delicados e oportunidades de incidência.

 

Alessandra pontuou a atuação das instâncias oficiais das Nações Unidas, tais como o grupo de trabalho aberto composto por 30 países que ficou responsável pela apresentação das propostas de temas para os ODS e o comitê de experts em financiamento para o desenvolvimento sustentável, cuja alçada é pensar de onde vem o recurso financeiro a subsidiar a agenda dos ODS.

 

A diretora também destacou os temas que geraram dificuldade de diálogo tais como os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, sociedades pacíficas e acesso a justiça, ocupação estrangeira e terrorismo e mudanças climáticas. As demandas específicas da Abong, também destacadas por Alessandra, são a inclusão de referências às Organizações da Sociedade Civil (OSCs), tais como indicadores do Marco Regulatório, ambiente favorável para atuação e, no Brasil, a criação de um espaço formal para debater a Agenda Pós-2015.

 

Bruno Gomes, da Agenda Pública (associada da Abong), também contribuiu com o debate somando a necessidade de apropriação da agenda por parte da sociedade civil para fins de evitar que a agenda ganhe um apelo corporativo e comercial como aconteceu com os ODM e destacando a importância de indicadores de desenvolvimento como estes para as gestões municipais.

 

Bruno apresentou ao Conselho Diretor uma proposta de comunicação dos ODS elaborada pela Agenda Pública para que a sociedade civil já inicie os trabalhos no sentido de visibilizar a agenda.

 

Para fechar o encontro, Naiara Costa, diretora de advocacy da Beyond 2015, iniciativa da sociedade civil, falou sobre os passos da campanha.

 

A cúpula que marcará a apresentação oficial dos ODS acontecerá entre os dias 28 e 30 de setembro de 2015.

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca