ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Avante e UFBa lançam pesquisa sobre impacto das políticas de segurança na Primeira Infância

26/11/2014



A Avante – Educação e Mobilização Social e a Universidade Federal da Bahia (UFBA) lançamrelatório do pesquisa sobre a percepção das comunidades do Calabar e Alto das Pombas sobre violência, políticas de segurança pública e sua repercussão para a Primeira Infância. O trabalho, realizado ao longo de dois anos, constata que as crianças reconhecem e compreendem a presença da violência na comunidade e na pratica dos policiais, mas não percebem a coerção doméstica como violência. A pesquisa foi realizada pela Linha de Mobilização e Controle Social da Avante – projeto Foco na Infância, em parceria com o Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA) por meio do Programa Integrado de Pesquisa e Cooperação Técnica em Comunidade, Família e Saúde (FASA) e apoio da Fundação Bernard Van Leer.

“A proposta é qualificar as proposições e o controle de políticas públicas nessa área utilizando todo o rigor acadêmico. E assim potencializar o poder que esse tipo de estudo pode ter sobre a temática”, como explica Ana Oliva Marcilio, consultora associada da Avante e coordenadora do projeto Foco na Infância. O material publicado é uma versão acadêmica da pesquisa que também terá uma versão voltada para as crianças, que está em fase de adaptação da linguagem. Essa primeira versão tem como foco colocar as informações coletadas à disposição de instituições que trabalham com direitos da infância, cidade e violência, da sociedade civil e poder público, além de outras comunidades interessadas, em especial aquelas que possuem Base Comunitária de Segurança Pública (BCSP) instalada.

Participaram da pesquisa membros da própria comunidade entre crianças, lideranças locais, profissionais das áreas de saúde, educação, proteção à infância e dos próprios membros da BCSP, que expuseram suas impressões e expectativas acerca da implantação da Base. Foram ouvidas 559 famílias. A visão das crianças sobre o assunto foi um ponto forte da pesquisa, pois ela reflete a cultura onde foram criadas.

 

Resultados

O trabalho realizado na comunidade do Calabar, em Salvador, apresentou dados relacionados a dois aspectos: a tríade – violência, segurança pública e infância e às expectativas da comunidade frente à implantação da BCSP.

Em relação ao primeiro, verificam-se os impactos da violência sobre a formação e desenvolvimento das crianças do Calabar. Dados coletados junto aos informantes que atuam com as escolas do bairro indicam efeitos nocivos em termos motivacionais, cognitivos e emocionais.  Já os dados quantitativos e qualitativos da pesquisa confirmam a “naturalização” do uso de castigos  e violência física, além da convivência com múltiplas expressões de violência (simbólica, física, imagética) dentro e fora de casa, constituindo-se como um elemento muito presente no cotidiano das crianças da comunidade.

De acordo com a pesquisa, o impacto da presença da Base Comunitária de Segurança na vida das crianças é considerado positivo pela comunidade, pois contribuiu para a redução da exposição delas a episódios que envolvem a violência entre grupos armados e possibilitou que a rua voltasse a ser ocupada para fins de lazer, “espaços de brincar” das crianças da comunidade. Contudo, a violência segue presente na vida dessas criança, que  ainda despontam como “vítimas invisíveis” da violência.

Em relação ao segundo aspecto, verifica-se, entre outras coisas, que há melhoria significativa do indicador de “sensação” de segurança, mas também que há uma insatisfação generalizada no que se refere às intervenções propostas pela Política de Segurança Pública do governo do estado dirigidas à melhoria da qualidade de vida do bairro. Mostra também um quadro de tensões e ambiguidades em relação à continuidade de uma conduta policial abusiva.

Fonte: Avante

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca