ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • União Europeia
  • REDES

    • MCCE

Agricultores do Pajeú alertam sobre a importância do uso da água

24/03/2015







O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. Data destinada à discussão sobre os diversos temas relacionados a este importante bem natural. No Sertão do Pajeú, a reflexão sobre o consumo partiu dos agricultores e agricultoras da Feira Agroecológica de Serra Talhada (FAST).

No sábado que antecedeu o Dia Mundial da Água, agricultores e agricultoras da Feira Agroecológica de Serra Talhada (FAST) aproveitaram o dia em que todos/as comercializavam os produtos para conscientizarem os consumidores e os transeuntes sobre a importância da água.  Às 07h, o café agroecológico já estava à disposição de quem passasse pela Praça Sérgio Magalhães, no Centro de Serra Talhada. As/os agricultoras/es enfeitaram a mesa com alimentos saudáveis, típicos do nordeste.

A macaxeira quente, bolos de mandioca, cenoura e leite, o gostoso café quentinho, os diversos sabores de sucos, o puro caldo de cana e a gentileza de quem estava servindo agradaram os olhos e o paladar dos serratalhadenses. E que gostou mesmo foram os jovens das comunidades Três Passagens, Poço do Serrote e  Timorante, do município de Serra Talhada, que estudam no Projeto Escola das Águas, financiado  pela Petrobrás.

Para a coordenadora da Feira, Gildete Pereira, o debate sobre a utilização da água deveria ser durante os 365 dias do ano. “ Água é vida! Não adianta querer ignorar essa realidade. Tudo nessa vida precisa de água, por isso, devemos respeitar esse bem universal e cuidar mais dele. Não podemos desperdiçar a água.  Sem água não há alimento e sem alimento a humanidade não vivi. Vamos nos reciclar, saber utilizá-la enquanto temos”, alertou Gildete.

A Organização das Nações Unidas (ONU) revela que aproximadamente 70% de toda a água disponível no mundo é utilizada para irrigação. No Brasil, esse índice chega a 72%. Ainda de acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA) informou que a irrigação é, em disparado, a maior usuária de água no Brasil, com uma área irrigável de aproximadamente 29,6 milhões de hectares. Informações que ressaltam que o País precisa de uma agricultura harmoniosa com o meio ambiente.

Ciente desses dados, a agricultora Maria Silvolúisa Mendes, do Sítio Quetimporta, do município de Flores, ressaltou a importância da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da população, por meio do uso dos recursos naturais e da oferta e consumo de alimentos saudáveis.

“A soberania alimentar contribui para proteger e preservar a água, através de diferentes tipos de práticas. Uma delas é o que nós da FAST fazemos, é produzir alimentos agroecológicos. Não utilizamos agrotóxicos para produzir alimentos, a gente mesmo é quem produz fertilizantes, matéria orgânica. Outra prática é o armazenamento de água para produção de alimentos, por meio das tecnologias de convivência no Semiárido”, enfatizou Maria Silvolúsia, que também é a segunda secretária do Centro de Educação Comunitário Rural (Cecor).

 A FAST oferece às famílias uma alimentação mais saudável e natural, com frutas, legumes e verduras. Os objetivos estão baseados nos princípios agroecológicos, além de promover uma forma de agricultura socialmente justa, ecológica e economicamente sustentável.

O professor da Unidade Acadêmica de Serra Talhada (UAST), pela  Universidade Federal Rural de Pernambuco, João Amorim, faz parte do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Práticas Agroecológicas do Semiárido(NEPPAS) e é consumidor fiel da FAST. Convidado a falar sobre o Dia Mundial da Água, ele provocou o público com algumas interrogações.

“Que a água é considerada como um bem comum e não como uma mercadoria,  poucos sabem. Por isso,  precisamos  levar essa discussão para as universidades, movimentos, setores públicos. O meio rural continua sendo desmatado, o que leva ao fim dos córregos d’água. E aí, o que estamos fazendo para reverter esse quadro? Vamos esperar por uma chuva que está cada vez mais escassa?”, provocou o professor.

As 21 famílias agricultoras que compõem a FAST encerram as atividades do dia 21 de março  com  a distribuição de mudas de plantas nativas e o sorteio da rifa do garrote, cujo dinheiro arrecadado será investido na festa de 15 anos de existência e persistência dos que acreditam na agricultora familiar, comemorado em junho. Os ganhadores foram Alexandre e Valdenice, um casal mora em Ingazeira. O bilhete foi de número 0439.

Fique por dentro: De acordo com a Organização as Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), cerca de 60% da água utilizada em projetos de irrigação são perdidos por fenômenos como a evaporação. Ainda segundo o órgão, uma redução de 10% no desperdício poderia abastecer o dobro da população mundial dos dias atuais.

Fonte: Cecor, por Kátia Gonçalves 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Projeto Sociedade Civil Construindo a Resistência Democrática

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca