ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • MCCE

Tradição mostra resistência das mulheres quilombolas na preservação da Caatinga

08/04/2015



A ancestralidade está mais viva do que se pensa no Sertão do Pajeú. As agricultoras Gilvaneide Gomes, 49 anos, e Maria Aparecida Gomes, de 46 anos, reproduzem há anos uma prática de armazenamento de sementes que aprenderam com seus pais e herdaram de seus avós. A tradição e adoção de velhas práticas de convivência no semiárido mantém a riqueza de conhecimentos e a conservação de espécies nativas do bioma da caatinga. Essa experiência é contada e vivida no Quilombo Feijão, no município de Mirandiba, em Pernambuco.

"Essas sementes vem dos mais velhos, eles selecionavam as melhores e guardavam para o ano seguinte", diz dona Gilvaneide ao descrever as sementes crioulas, que se trata da reprodução de sementes nativas sem modificação genética, garantindo a originalidade e a qualidade. "As mais antigas daqui é de feijão "canapú" e "bastião", que existe desde o final da década de 60, muito antes de eu nascer", completa.

Com a auto-organização e a luta das mulheres quilombolas, o grupo conseguiu apoio para a construção de um banco de sementes para o quilombo. Toda comunidade se envolveu na construção e produção das espécies. Durante o processo, formaram uma comissão que organizam e tomam conta das sementes trazidas, são chamados de os guardiões. "Quando o agricultor ou a agricultora traz a semente para o banco, os guardiões colocam o nome da pessoa e o ano que aquela semente chegou, sempre que precisar a semente vai estar aqui, mas quando pega tem que devolver em dobro para que o banco não se acabe", explica Dona Maria Aparecida.

Para elas esse banco de sementes tem um valor simbólico, porque além de ser uma herança da ancestralidade, também tem colaborado para incentivar os/as jovens na continuidade da tradição e no resgate de outras sementes que ficaram esquecidas no tempo, como feijão enrica mulher, paulistinha, canapú, rajado, bastião e outras variedades de culturas. Dona Gilvaneide lembra que "antes as pessoas ficavam esperando a semente do governo, comiam as suas e ficavam sem nada para plantar e produzir, depois a colheita não era tão boa".

Com essa técnica, as mulheres quilombolas estão armazenando sementes de plantas do bioma caatinga, tanto medicinais como outras que ajudam na sustentabilidade do solo, através do Projeto "Mulheres na Caatinga", executado pela ONG Casa da Mulher do Nordeste, com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Dona Maria Aparecida e Gilvaneide Gomes, fazem parte das 210 mulheres que estão a frente do projeto na conservação da Caatinga e na recuperação de áreas degradadas. Além de estarem compartilhando seus saberes e conhecimentos com outras mulheres da região.

A preocupação delas é que essas sementes continuem sendo produzidas, contribuindo para a qualidade de vida das mulheres e homens do quilombo. Com chuvas, esperam resultados - banco de sementes cheio, maquinário funcionando e auto-organização.

Fonte: Casa da Mulher do Nordeste

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca