ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Ato do Amor Livre nas ruas do Recife

15/05/2015

Lei Municipal contra a homofobia existe desde 2002, mas é pouco conhecida



Militantes do Instituto Papai, em parceria com o GEMA - UFPE (Núcleo de Pesquisa em Gêneros e Masculinidades) e o Fórum LGBT, foram às ruas do Recife nesta quinta-feira, 14, marcando as comemorações pelo dia 17 de maio, Dia Internacional de Luta contra a Homofobia.

Diversos membros das entidades distribuíram, na Rua da Imperatriz, Centro do Recife,  cartões de visita com informações contendo o número do Disque Direitos Humanos e  a importância da Lei Municipal 16. 780, de 2002, que diz que é proibida qualquer forma de discriminação ao cidadão com base em sua orientação sexual. Após o Ato na Rua da Imperatriz, os militantes presentes se encaminharam à Assembleia Legislativa de Pernambuco para chamar a atenção para a importância da Lei do Amor Livre. A campanha, intitulada Amor Livre, propôs também que seja sancionada uma lei estadual contra a homofobia.

Pernambuco é um dos líderes no ranking de mortes de LGBT no Brasil.  São atos de violência, com requintes de crueldade, e a campanha de conscientização tem o intuito de informar não só o grupo LGBT, mas toda a sociedade, como explica Thiago Rocha, Coordenador de Projetos do Instituto Papai: “A gente vem trazer o conhecimento dessa Lei Municipal, que existe na cidade do Recife, não só para as pessoas LGBT, mas para toda sociedade, e viemos também, exigir que o Estado de Pernambuco tenha uma lei de igual teor, que coíba qualquer tipo de discriminação e preconceito contra a população LGBT.”

Mestre Galo Preto estava passando e cantou a música contra homofobia. Foto: Acervo Instituto PapaiA dona de casa Elza de Souza estava passando na rua  foi abordada por um dos ativistas, ela  ressaltou a importância de ações como essa: “Eu mesma nem sabia que existia essa lei. As pessoas têm o direito de serem como elas querem. São muito importantes atitudes como essa de informar e distribuir amor, que é o que está faltando neste mundo.”



Uma presença de destaque entre os transeuntes que passavam pela Rua da Imperatriz foi a do Mestre Galo Preto, figura lendária do samba de coco pernambucano, que é a favor de leis que punam atos homofóbicos. Galo Preto é o autor da música Homem com homem, mulher com mulher, em que aborda o respeito às diferenças e ao amor livre. Para conferir a música clique aqui

F
onte: Instituto PAPAI

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca