ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Comissões municipais participam de encontro do projeto Sementes do Semiárido

26/05/2015



Representantes das comissões municipais do Sertão Central, Inhamus, Crateús e Vale do Jaguaribe participaram, no dia 13 de maio, de um encontro realizado pelo projeto Sementes do Semiárido. A reunião ocorreu na sede do Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria.

O presidente do Esplar, Marcus de Oliveira, participou da reunião apresentando o tema “Biodiversidade, sementes, soberania e segurança alimentar”. Marcus destacou a importância do conhecimento tradicional para a manutenção da biodiversidade. Segundo Marcus, a substituição de sementes criolas por sementes “melhoradas” contribui para a erosão genética, que é a perda da diversidade genética das culturas. “As casas de sementes são muito importantes para a manutenção da biodiversidade de cultivo”, afirmou Marcus.

Após a fala de Marcus de Oliveira, a coordenadora do projeto, Andrea Sousa Lima, coordenadora do Sementes do Semiárido pelo Esplar, apresentou o projeto aos participantes. Em seguida, os representantes das comissões se dividiram em grupo e propuseram as comunidades que poderão receber as ações do projeto. Ao final do encontro, a equipe técnica agendou as datas de visitas às comunidades.

Sementes do Semiárido

O objetivo do projeto é propiciar o acesso descentralizado de agricultores e agricultoras a sementes, propiciando a preservação, multiplicação, estoque e distribuição de sementes criolas. Será realizada a estruturação de casas de sementes comunitárias e capacitação dos agricultores e agricultoras na busca da garantia da soberania e segurança alimentar e nutricional.

O Esplar acompanhará 29 casas em dez municípios: Quixeramobim, Quixadá, Choró, Ibaretama, Nova Russas, Quiterianópolis, Tamboril, Ipaporanga, Russas e Pereiro.

Irmã Socorro Mota, de Ipaporanga, relatou que a expectativa das comunidades do município é muito positiva. Ela informou que Ipaporanga ainda não tem casas de sementes, mas alguns agricultores e algumas agricultoras guardam sementes nativas, ainda que em pouca quantidade.  “Nas comunidades onde conversamos, [os agricultores e agricultoras] ficaram muito alegres e acreditam que são capazes de administrar esse essas casas”. Para ela, as casas de sementes são importantes para propiciar uma alimentação de qualidade, sem agrotóxicos, e promover a conscientização do cuidado com a natureza. 

Fonte: Esplar 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca