ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • ALOP

Dilma defende reforma da ONU e diz que Brasil levará ‘proposta ambiciosa’ à COP21

18/08/2015

O Brasil tem um profundo apreço pelo multilateralismo e é esta premissa que o leva a buscar uma nova governança mundial, que assegure, de fato, o respeito aos valores que dele decorrem, disse a presidenta Dilma Rousseff [Partido dos Trabalhadores – PT] em evento recente, no Itamaraty.

brasilpost
Dilma: proposta para COP21 terá maior redução do desmatamento e emissões de gases estufa do País, em linha com a diversificação maior das fontes de energia, em especial de energias renováveis.Foto: R. Stuckert Filho/PR


"O pleno exercício desses valores, tão caros à nossa política externa e tão necessários para a vigência do multilateralismo, esbarra na fragilidade das Nações Unidas, justamente agora quando festejamos os 70 anos de sua criação”, lamentou a presidenta.

Ela lembrou que o mundo de hoje em muito difere do de 1945, quando a ONU [Organização das Nações Unidas] foi criada e seu Conselho de Segurança passou a ser encarregado de zelar pela paz e pela segurança coletiva. "A nova correlação de forças internacional, radicalmente diferente daquela de sete décadas atrás, impõe uma ampliação do conselho e do número de seus membros permanentes”.

Somente assim, acredita a presidenta, o importante organismo internacional refletirá o mundo real de hoje e, consequentemente, passará a ter a eficácia que, hoje, está perdendo. "Os graves fenômenos de violência sectária, o terrorismo, a ação de Estados à margem do direito internacional, o drama crescente dos refugiados, o descontrole das epidemias, a ameaças dos armamentos de destruição em massa e as novas formas de criminalidade internacional impõem uma reforma da ONU como exigência inadiável”. "Essa reforma do sistema multilateral tem de estender-se igualmente aos organismos econômico-financeiros surgidos em Bretton Woods [como FMI – Fundo Monetário Internacional – e o Banco Mundial]”, alertou.

COP21

Dilma destacou ainda que, em dezembro deste ano, o Brasil chegará à Conferência de Paris sobre a Mudança do Clima, a COP21, realizada pela ONU, com uma ambiciosa proposta em relação ao desenvolvimento sustentável. A proposta prevê o prosseguimento da redução do desmatamento e das emissões de gases de efeito estufa do país, nas mais variadas áreas – energética, industrial, agrícola, em linha com a diversificação maior também das fontes que geram energia, em especial das energias renováveis.

Apontou ainda que o Brasil teve a liderança de assumir o objetivo meta de redução voluntário de 36% da emissão de gases de efeito estufa. Mas que "temos consciência de que o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, preserva e faz justiça ao fato dos países em desenvolvimento, emergentes, terem começado seu desenvolvimento de forma tardia”.

Ela lembrou ainda os significativos avanços conseguidos na Conferência Rio+20, em 2012, no Brasil "Sem dúvida, a mais importante reunião realizada pelas Nações Unidas, [quando] nós definimos a necessidade de estabelecimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODSs”.

Desde então, finalizou a presidenta, o tema da sustentabilidade passou a articular crescimento econômico, preservação do meio ambiente e políticas de inclusão social, "sintetizadas no lema da Rio+20, de que é possível sem sombra de dúvida, crescer incluir, conservar e proteger”.

Fonte: Adital

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca