ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Chacina de 19 pessoas em São Paulo pode ter sido realizada por policiais

21/08/2015

Pelo menos 19 pessoas foram mortas na noite do último dia 13 de agosto nas cidades de Osasco, Barueri e Itapevi, região da Grande São Paulo, por homens armados e encapuzados. Uma gravação de câmera de segurança de um dos locais onde aconteceram os crimes, mostram os homens armados perguntando quem no local tinha passagem na polícia e matando, então, aqueles que se identificaram.

jornalggn
Imagens das pessoas assassinadas na chacina do último dia 13 de agosto, na Região Metropolitana de São Paulo.

Diante da chacina, organizações de direitos humanos como a Anistia Internacional demandam que o Governo do Estado de São Paulo tome todas as medidas necessárias para garantir uma investigação célere e imparcial sobre o contexto das mortes e sobre as suspeitas de que policiais estariam envolvidos na ação. "As investigações devem ser transparentes”, assinala a Anistia. "A sociedade precisa receber uma resposta sobre este grave episódio de violência”.

Entre 2013 e 2014 houve um aumento de 80% nos casos de mortes decorrentes de intervenção policial no Estado de São Paulo. Estes casos são raramente investigados e a impunidade alimenta o ciclo de violência por parte dos policiais. O Brasil é o país com o maior número de homicídios no mundo: foram 56 mil, em 2012. A maior parte deles não é investigada. Apenas cerca de 8% são levados à justiça.

"Chacinas como a de São Paulo, infelizmente, tem feito parte da rotina da violência nas nossas cidades. Com frequência policiais, dentro e fora de serviço, são responsáveis por uma parcela significativa desses homicídios. Uma investigação célere, transparente e imparcial deve ser conduzida imediatamente para que não reste dúvida sobre a autoria e a responsabilidade por essa barbárie”, afirma Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional no Brasil.

Fonte: Adital

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca